Trespasser: Dragon Age Inquisition DLC

A DLC que todos estávamos esperando, desde aquela cena polêmica depois dos créditos finais de Dragon Age Inquisition. Assim como The Descent, a DLC só está disponível para PC, XBOX ONE e PS4, então os jogadores da geração antiga precisarão de um novo console.

Essa DLC é como se fosse um epílogo dos eventos de Dragon Age Inquisition. Dois anos depois que a inquisição derrotou o Corypheus, seu inquisitor é convidado para uma reunião com o representante de Orlais, Ferelden e a Divine, assim poderão escolher qual é o futuro da inquisição. Enquanto Orlais parece achar necessário que a inquisição exista, Ferelden prefere que esta seja encerrada.

Porém, como tudo em Thedas, as coisas não vão bem como planejado. No meio da reunião, um eluvian que estava em Halamshiral é ativado e o corpo de um qunari morto é jogado para o lado de fora. Você precisa atravessar os eluvians e descobrir da onde vem esses qunari e o que eles pretendem fazer.

Como sempre, os pontos positivos e negativos:

Pontos Positivos

  • A história é diretamente ligada aos fatos de DA:I
  • Muito conteúdo e história, principalmente sobre os elfos
  • Suas escolhas durante o jogo aparecem nesse epílogo
  • Novo conteúdo dos seus companions, incluindo romances
  • Respostas sobre certas perguntas deixadas em aberto
  • Revelações muito interessantes
  • A narrativa da DLC flui bem
  • Ponto final na história de Inquisition e pistas sobre um possível Dragon Age 4

Pontos Negativos

  • Ainda temos que enfrentar alguns bugs
  • A DLC que “fecha” a história não está disponível para todos os consoles
  • Queria que tivesse sido um pouco mais longa
  • Mais cara que as outras DLC

Pois é, os pontos positivos são bem maiores que os negativos, e não é pra menos. Pessoalmente, foi a DLC que mais gostei de todos os jogos de Dragon Age. Mesmo com conteúdo de uma expansão, a história é contada de uma forma que flui bem nas poucas horas de jogo a mais que ganhamos. A história te prende tanto que você não consegue parar de jogar.

Andar pelas estradas dos eluvians é muito divertido, achar codex e finalmente respostas relevantes também é muito satisfatório. Aprendemos sobre qunaris, mas principalmente sobre elfos, sua religião e os tempos antigos de Arlathan. Uma das minhas críticas de DA:I é que o final parecia um pouco solto, mas Trespasser consegue tirar essa sensação e nos dar um ponto final.

Finalmente tivemos mais conteúdos dos companions, suas escolhas durante o jogo em relação a cada um deles aparece nessa DLC, principalmente se você teve romance com algum deles. Desde o modo de falar até atitudes mais drásticas, vemos o resultado de sua amizade – ou inimizade – em cada um dos personagens. É também interessante ver o que acontece dependendo da pessoa que você escolhe para ser Divine, tanto durante a DLC quanto nos crédito finais.

A DLC teve tudo, combates legais, escolhas que provavelmente vão nos afetar mais tarde, consequências do que fizemos antes, nossos companions amados, conteúdo novo pra história do jogo e principalmente respostas que estávamos nos perguntando desde o final do ano passado. Sem dúvidas a melhor DLC de Dragon Age Inquisition e, talvez, a melhor DLC de toda a franquia de Dragon Age.

Então se você tiver a oportunidade, jogue, porque vale muito a pena e mostra pistas importantes para os próximos jogos.

Abaixo a crítica com spoilers, que são muitos, então se não jogou, não leia.

Nossa, por onde começar? Eu realmente gostei muito da DLC, tive que esperar alguns dias pra minha euforia passar e eu conseguir escrever uma crítica mais sensata, então vamos lá.

Primeiro vamos falar dos qunari. Com acesso aos eluvians, os qunari tinham o plano de invadir todo o sul de Thedas, que inclui Orlais, Free Marches e Ferelden. Um dos grandes alvos do exército do qun era a inquisição, porque segundo eles, a organização estava trabalhando para Fen’Harel. Enquanto isso, a marca na mão do seu personagem vai machucando cada vez mais, até que mais no final do jogo você é obrigado a usá-la com alguma frequência para o poder não explodir sozinho, o que dá uma sensação de “preciso ir logo ou vou morrer” que é bem empolgante.

Poder conversar as novidades com os companions foi muito bom. Varric se torna visconde de Kirkwall, Dorian é o embaixador de Tevinter, Cullen e Josephine continuam do seu lado na inquisição e também podemos ver Leliana, Cassandra ou Vivienne como Divine. Tudo depende das suas escolhas, se você decidiu deixar Cole humano, ele começa a namorar a barda que cantava na taverna de Skyhold, se não ele arruma para que ela e Krem fiquem juntos.

Realmente deu pra sentir o carinho que os companions tem com o seu personagem (só se você tiver amizade com todos, né) e como eles também foram tocando a vida depois da inquisição, o que foi bem legal pra mostrar a passagem de tempo. Outro aspecto muito legal é que seu personagem pode mostrar vários tipos de reações ao que está acontecendo, a atuação das vozes do inquisitor nunca esteve melhor.

Enquanto andamos através dos eluvians, aparecem muitos codex sobre Arlathan e Fen’Harel, aos poucos vamos descobrindo que aquela imagem de “vilão” que os elfos têm dele não é completamente certa, sim, ele fez besteira, mas antes trabalhava em prol da libertação dos elfos escravos. Também descobrimos que os outros deuses do panteão élfico eram Evanuris, deuses falsos que foram líderes durante guerras e cresceram tanto em status que começaram a serem encarados como deuses.

Uma das maiores revelações foi descobrir que os elfos magos escravizavam outros elfos, usando as vallaslins para “marcar sua propriedade”. Isso me incomoda um pouco, não necessariamente por elfos escravizarem uns aos outros, não imaginei que Arlathan fosse completamente pacífica, mas sim o fato dos magos, que são um grupo oprimido, serem mostrados como vilões em vários momentos. Pode ser uma forma do jogo de mostrar que não há “bonzinhos”, mas também fico um pouco na dúvida sobre serem “magos” ou não. Merrill menciona em Dragon Age 2 que um dia todos os elfos tiveram o dom da magia, e pelas bibliotecas que vemos em Trespasser, a sociedade de Arlathan era extremamente ligada a magia. Há também o fato de Andruil, uma das Evanuris, ser conhecida como arqueira, e não por sua magia. Ainda me pergunto se a magia era algo comum entre todos os elfos e não exclusividade dos Evanuris, mas sobre isso não tivemos uma resposta óbvia.

De qualquer forma, podemos impedir a invasão dos qunari e dar a chance do seu personagem descobrir – porque nós já sabíamos – que Solas é um agente de Fen’Harel, por isso os qunari achavam que a inquisição estava trabalhando para Fen’Harel. Seu inquisitor pode começar a decidir aqui o tipo de atitude que usará com quando encontrar Solas.

Como esperado, temos um momento para fazer várias perguntas pra ele e ouvir a confissão de que ele é na verdade o próprio Fen’Harel. Vou aproveitar o momento pra confessar que fiquei chateada de não descobrir antes durante Dragon Age Inquisition quem Solas realmente era, mas isso foi compensado quando eu descobri que boa parte da minha teoria sobre ele estava certa. Há! (Não sabe do que eu tô falando? São esses textos aqui). Aliás, outro comentário, Gareth David Lloyd, o dublador do Solas, tá de parabéns com a atuação dele nessa parte, assim como os animadores das expressões do personagem também mandaram super bem.

Solas recebeu o título de “Fen’Harel” mais tarde em sua vida e ele tinha sérios problemas com as atitudes dos Evanuris, era contra o jeito que eles usavam seu poder e como usavam seus escravos. Então Fen’Harel começou uma rebelião contra esses deuses, libertando escravos, tirando suas vallaslins, etc. Depois de um tempo, Fen’Harel criou o Veil para dividir o mundo “real” do Fade, assim esse véu seria uma prisão para os Evanuris. Depois disso, ele entra em uthenera. O problema é que Arlathan era muito baseada em magia e o véu cortou boa parte do contato dos elfos com seus dons, deixando-os fracos e fazendo-os presas fáceis para Tevinter mais tarde.

Solas acorda um ano antes de se juntar a inquisição e vê seu erro. Ele diz que andar nesse novo mundo era como estar rodeado de tranquilos, magos que não possuem mais emoções. E sim, era ele a figura misteriosa no final de The Masked Empire, pontos pra mim! De qualquer forma, ele explica qual era o plano: Dar a orbe para Corypheus usar, ele ativaria, morreria na explosão e a energia liberada faria com que Solas conseguisse voltar ao passado para mudar a história, ou como eu mencionei na minha teoria, dar “load”. O problema é que Corypheus sobrevive e os planos dele vão por água a baixo, então Solas vê na inquisição a única forma de recuperar a orbe e derrotar Corypheus.

No final das contas, descobrimos que Solas quer ainda fazer o plano, só que a explosão necessária para mandá-lo de volta para seu tempo destruiria o mundo atual, mas Solas está disposto a pagar esse preço. Antes de ir, ele “salva” o seu personagem de morrer para a marca, porém este perde a mão esquerda no processo, o que eu sinceramente achei muito interessante pra narrativa. Ah, e sim, não existe final feliz pro romance do Solas. É, eu sei, fiquei arrasada, caiu um cisco no meu olho bem na hora, olha que coisa.

Independente de mantermos a inquisição ou não, fica óbvio que os membros da inquisição não tem intenção de esquecer dos planos de Solas e irão atrás dele. O jogo termina com seu personagem fincando a faca no mapa da mesa de guerra e vemos nosso próximo destino: Tevinter.

ScreenshotWin32_17608_Final

Foi uma escolha muito feliz da Bioware, muitas pessoas pediram que visitássemos Tevinter em algum próximo jogo. Além disso, foi anunciado um novo quadrinho que se passará em Tevinter. Também é importante notar que de todos os companions, tirando Solas, Dorian tem um destaque um pouco maior que os outros ao se tornar embaixador de Tevinter, então acredito que ele e Maevaris terão participações importantes no próximo jogo (por favor!).

Não dá pra adivinhar tudo, mas tenho uns bons palpites do que vai acontecer em seguida: A inquisição, tendo terminado ou não, vai voltar seu foco para Tevinter em busca de ajuda para impedir Solas. Além disso, os qunari também estarão lá, não só como foi previsto em DA:O, mas como ficou explícito no final de Trespasser. Acredito que o novo protagonista pegará as coisas de onde seu inquisitor parou, talvez este até sendo uma espécie de conselheiro no próximo jogo. O inimigo imediato muito provavelmente serão os qunari, mas acredito que Solas terá sua parte como “vilão” também (mas eu não queria ter que lutar com ele D:). Não sei se, com essas informações, será possível jogar como qunari ou anão no próximo jogo, mas teremos que esperar para ver.

Solas agora tem um poder gigante nas mãos, ele tem total acesso aos eluvians e conhece todos da inquisição muito bem, além de ter apoio de vários elfos que decidiram se unir a sua causa. Não seria um inimigo fácil de lutar contra, Solas pode ter métodos ruins, mas ele quer dar uma nova vida pros elfos, uma chance que eles nunca teriam na sociedade de Thedas atualmente. Ele quer libertar seu povo, não consigo olhar pra isso e achá-lo completamente vilão, mas também é difícil ser a favor da parte que inclui matar todas as pessoas que vivem em Thedas atualmente. Vai ser uma área bem cinza pra Bioware explorar, e ainda em um dos lugares mais polêmicos de Thedas.

Foi muito gratificante finalmente jogar uma luz na história dos elfos, que por muito tempo ficamos sabendo tão pouco. Acho que a Bioware acertou muito dando essa chance de questionarmos o Solas e colocarmos um ponto final na história de inquisition, só fico chateada porque não teremos mais conteúdo, mas feliz que eles conseguiram concluir bem esse capítulo de Dragon Age.

Agora teremos que esperar cerca de três anos para o próximo jogo, mas tudo indica que vai valer a pena, assim como esses meses de Inquisition valeram a pena e acho que nunca antes tivemos tanto conteúdo sobre a história de Thedas como agora.

Dareth shiral, Dragon Age, nos vemos de novo daqui uns anos.

Gostou do texto? Então não esquece de compartilhar com a galera e curtir a página do facebook!

Anúncios

17 comentários sobre “Trespasser: Dragon Age Inquisition DLC

  1. Achei bem legal o que vc escreveu, mais eu tenho algumas teorias diferentes. Bom não acho que o inquisidor vai ser um conselheiro ou apenas uma participação. Ao meu ver a mão do inquisidor e bastante valiosa pq todos a queriam para da a Corypheus .E outra coisa se o jogo se basear no Solas a historia ficou incompleta, ainda mais se sua inquisidora teve um romance. Acho que no próximo jogo a inquisidora volta com tudo, alguma coisa vai acontecer e ela vai ficar mais forte e ira atras de novos aliados contra Solas ou para salva-lo de si mesmo ou mata-lo.
    Essa questão da mão me chamou muita atenção por que os aliados mais próximos de Corypheus, o mago venatori, a prima da imperatriz, e outros no jogo se mostraram interessados na mão da inquisidora ( ou seja o que a mão dela pode fazer sem o resto do corpo?) E porque o solas a amputa com a Desculpa de viver mais, pra mim foi uma mentira contada por ele acho que a mão é a chave pra algo maior.Em fim é isso.

    Curtir

  2. Caramba, virei um fã de Dragon Age após jogar o primeiro jogo, nunca li livros ou hq’s sobre, mas depois de ler essa analise percebi que o universo de DA é muito maior do que eu imaginava, tanta coisa que deixe passar ao jogar o DA:I, parabéns pelo post bastante informativo.

    Curtir

  3. Li todos os seus textos sobre Dragon Age, e parabéns, foi bom encontrar um blog que fale sobre teorias, em português.
    Então, vamos lá para a minha teoria.
    Como já é de praxe, o próximo protagonista de Dragon Age será um personagem novo, o que me deixa com alguns questionamentos, por ex, já tivemos o Herói de Ferelden, o Campeão de Kirkwall, o Inquisidor, e agora será quem???
    Quem pode surgir do nada, em tão pouco tempo, ser mais importante que esses 3, e principalmente, mais forte que esse 3, porque nem o Inquisidor deu graça contra o Solas.
    Será que jogaremos com um personagem já padronizado, como em DA2, tipo um capitão dos Grey Warden, um Magistrado famoso de Tevinter, ou um que já conhecemos???
    Outra coisa, espero que esses 3 apareçam no próximo jogo, o Inquisidor é certo que irá, Hawke/Alistair/Loghain/Stroud também tem grandes chances de aparecerem, assim como os Grey Wardens, porque no fim do DAI, é dito que quando um desses que citei chega a Weisshaupt, não tem mais notícias dele, e deixa no ar que alguma coisa de muito errado está acontecendo por lá.
    Já o Herói de Ferelden fica cada vez mais distante, as histórias envolvem cada vez menos ele, sabemos que ele tinha ido pro Norte, em busca da cura contra a Blight, se ele não tiver um romance com a Morrigan, acredito eu que não tenha o por que dele aparecer no próximo jogo.
    Não creio que os Qunari sejam os grande vilões do próximo jogo, no fim da DLC Trespasser, se o Inquisidor era aliado deles, é dito que aquele bando que planejava aqueles atentados ao Sul de Thedas eram um grupo independente, que nada tinha a ver com eles, inclusive eles lançam um ataque a Tevinter, e pedem o auxílio da Divina, e mesmo se o Inquisidor não fosse aliado deles, eles alegam que nada tinham a ver com isso (claro que eles podem estar mentindo, já que deu ruim).
    Uma coisa que tem que ser lembrada é sobre o final da DLC The Descent, você deve ter jogado, mas se não, lá vai spoilers.
    O Inquisidor é acompanhado por uma anã, e eles chegam num lugar totalmente escuro, com anões que parecem ser meio que irracionais, ou controlados por algo.
    Durante o caminho vamos descobrindo mais sobre os Titans, seres muito antigos (tanto que na história atual dos anões eles nem sabem nada da existência deles, nem sequer são lendas para eles), eles descem tão fundo na Deep Roads que acaba chegando dentro de um Titan (muito confuso isso), e ao final da DLC, a anã que está com ele meio que aprende a usar magia, e ela resolve ficar lá para saber mais.
    Enfim, acho que isso terá um papel importantíssimo no decorrer do Universo Dragon Age, pode não ter nesse próximo jogo, mas com certeza um dia terá, visto que na própria DLC Trespasser, tem códex que parecem contar sobre uma possível guerra entre anões e elfos, inclusive sobre os Evanuris lutando contra os Titans.

    Curtir

  4. Olá Wellington!
    Está tudo muito em aberto ainda, mas acho que o Herói de Ferelden provavelmente não aparecerá mais, a Bioware deu uma declaração durante DA:I que é improvável que ele volte.
    O protagonista do próximo provavelmente não será como o Hawke porque muita gente não gostou de um protagonista meio que “já escolhido” pelo jogo. Eu concordo que o que aconteceu em The Descent é super importante e vai aparecer em peso em algum jogo, mas talvez não agora. Eu acredito bastante que o próximo jogo é em Tevinter, então acho que os pontos principais serão relacionados com magos e qunaris.
    Mas eu gostei dessa ideia dos Titans terem parte na luta com o Solas, vou pensar mais nisso.

    Curtir

  5. Clarice, primeiro… Muito obrigado por ambos textos (antes do Trespasser e esse). Foi MUITO bom achar um texto organizado sobre ambos finais logo depois de concluir todo o jogo!!

    Agora, deixa eu desabar minha euforia kk

    Faz tempo que não zero um jogo que me faz ter arrepios perto do fim… Gente, que trilha sonora é essa?? Que final foi esse?? Essa DLC foi MUITO bem feita cara… Aliás, eu não sei se você se preocuparia com um mini um mini spoiler agora depois de tanto tempo, mas você já experimentou levar Touro de Ferro durante toda a DLC?? Cara, o que aconteceu foi uma puta surpresa pra mim…

    Enfim, o jogo termina impecavelmente na história, arrebatando a gente e deixando aquele gosto de “QUERO MUITO MAIS” kkk.

    Apesar disso tudo, o jogo pecou em algumas coisas pra mim. O sistema de batalha não é dos melhores, principalmente se vc joga no teclado e mouse. Tive de arranjar um controle por quase desanimar de jogar, mas depois que peguei ficou bem melhor. Outra coisa que tenho a reclamar são as falas… As vezes escolher uma fala nunca representa realmente aquilo que vc quer falar, mas não é a pior coisa no jogo. Acho que de tudo, o sistema de batalha e a IA ficaram um pouquinho a desejar, principalmente nas lutas contra dragões.

    Enfim, a história do jogo é incrível, apesar de tbm ter umas críticas que suspeito não ser o único a ter. Será que tem alguma organização/grupo/clã/guilda que não faça a merda mais absurda e se rebele dos seus próprios princípios?? Assim, chega a ser engraçado pq o próprio Inquisidor e aliados reclamam disso… Toda a doidera do jogo é causada por loucuras que os Guardiões Cinzentos fazem, junto com Templários malucos e por aí vai. É até bem compreensível as motivações as vezes, mas as dos Guardiões Cinzentos eu achei difícil de engolir. As motivações no Trespasser me pareceram bem mais interessantes… Uma hora, até uma organização honrosa que luta por justiça pode se corromper pelo grande tamanho e poder. Não foi a toa que escolhi debandar a Inquisição, ainda mais depois de 2 putas traições.

    De qualquer jeito, a história do jogo é incrível e a BioWare tem a faca e o queijo na mão pra fazer novamente um JOGAÇO. Nunca joguei o Origins, mas pelo que os fãs dizem, é capaz de ser um jogo até melhor que ele.

    Umas perguntas agora…

    Solas matou a mãe de Morrigan naquela cena do encontro?? Fiquei meio na dúvida do que ele realmente fez, se ela concordou com aquilo sem lutar e blá…

    E a aquela fonte de sabedoria do deus élfico que podemos beber antes de enfrentar Corypheus? Aquilo influencia de alguma forma contra Solas caso o Inquisidor beba??

    E o que Solas de fato fez com a Âncora?? Ele pegou de volta?? Ou só destruiu?

    Aliás, queria saber como ele recuperou seus poderes apelões. Suspeito que tenha sido no encontro com a mãe de Morrigan (me esqueço dos nomes dos personagens mais irados do jogo -_-” )

    Hahahaha é isso, desculpa o comentário meio desorganizado, zerei de madruga e a primeira coisa que fiz hj foi acordar e comentar aqui kk

    Ps: Vc tbm “desebanhou a espada” no final dos créditos?? XD

    Curtir

  6. Olá Fernando! Que bom que gostou do texto! Eu recomendo sempre jogar Origins, é um jogo muito bom.
    A gente não tem uma resposta concreta sobre a morte da Flemeth, eu acho que ele “matou” aquele corpo dela, mas que ela colocou uma parte de sua energia no eluvian, então ela poderia voltar (já aconteceu algo do tipo em outros jogos, então é possível nesse universo). Os dois são deuses, então qualquer resultado é possível (tanto ela sobreviver ou morrer).
    Olha, até onde eu lembre, quando eu joguei com meu Inquisitor que bebeu do poço, nada de diferente aconteceu no confronto do Solas, só falando com alguns elfos antigos NPC (mas eu posso ter esquecido, faz tempo que não jogo com aquele personagem).
    A ancora você diz o braço do Inquisitor? Se sim, eu acho que ele só tirou porque estava machucando o personagem, não teria muito mais o que fazer com uma mão arrancada. Quanto a orbe, ela aparentemente foi destruída mesmo, se ele conseguiu consertar a gente não sabe.
    Sobre os poderes dele, o Solas explica que estava fraco depois que acordou do uthenera, ele ficou muitos anos dormindo e pode ser que precisasse de um tempo pra ir se recuperando. O fato dele parecer ter sugado a energia da Flemeth também faz muito sentido e pode ser parte da explicação.

    Curtir

  7. Gostei muitos dos seus textos ta de parabéns!
    Vamos lá vou começar falando que zerei a alguns dias DA (terminei os três jogos exceto os livros e quadrinhos) e fiquei fascinado por esse universo me surpreendeu bastante é muito cativante e complexo, com certeza foi o rpg que mais me deu prazer enquanto eu jogava 🙂
    E falando sobre essa DLC, com certeza é a melhor dlc de DA sem duvida. Não queria parar de jogar e infelizmente é muito curta, e meu como me expressar nessa cena final com o Solas noossa arrepiou e é bem triste e apaixonante por que de primeira em DAI eu fiz um romance com o Solas e ter esse final foi foda. Eu espero que no próximo o Solas não seja tratado como vilão isso ia me decepcionar muito, e as motivações que ele possui dificilmente eu olharia pra ele como uma espécie de “vilão”, e também DA não precisa necessariamente de um cara “mau” por que como já é de nosso conhecimento agente age de acordo nossas convicções um exemplo de como é a natureza de DA é na parte da corte de Orlais agente basicamente escolhe um lado de acordo como agente acha melhor… enfim e também a guerra com os Qunaris vai ser tensa pq os caras são praticamente o exercito mais forte então vai ser dificil superá-los e vai ter a influência de Fen’Harel sobre os elfos por serem escravos em Tevinter talvez eles olhem Solas como a esperança no final do túnel e quem poderia ser o próximo protagonista ao meu ver eu continuaria com o Inquisidor… e por ultimo vou falar eu acho que pode acontecer imagina agente vê o Fen’Harel abrir o portal para o Fade e ele passa e a gente atravessa junto e acabamos voltando no tempo e paramos em Arlathan com o nosso Inquisidor meuu ia ser muito épico ,mas é apenas um “sonho perdido meu” hahahahaha bom é isso desculpem eu estar eufórico ^^
    Mas alguém pode me dizer se vai ser lançado em 2017 ??? por que esperar um mais de 1 ano vai ser dificil aguentar

    Curtir

  8. Oi Ezequiel!
    Não precisa se desculpar, amo Dragon Age há anos e entendo perfeitamente a empolgação! ahhaahha
    Eu acho muito improvável que o próximo jogo seja lançado em 2017. A janela de tempo até faria sentido (três anos), mas a Bioware não se manifestou oficialmente sobre o assunto até agora. Acho que, se tivermos sorte, eles anunciam o próximo DA em 2017 para sair em 2018.

    Curtido por 1 pessoa

  9. Espero pelo menos por isso ^^ por que eles estão com as cartas na manga para produzirem talvez o melhor jogo da franquia. Aguardarei ansiosamente.

    Curtir

  10. Clarice, tenho uma dúvida em relação com o inquisidor.

    Ele realmente perde o braço em todos destinos possíveis?

    Porque dessa forma inquisidor no proximo jogo pode ser muito bem como um conselheiro no caso.

    Parabéns pelo blog. Tu escreveu muito!

    Curtir

  11. Oi Jonatas! Que bom que você curtiu os textos!
    Então, o inquisidor sempre perde o braço, independente de qualquer coisa a marca na mão tá consumindo ele. Eu também queria muito que ele aparecesse como conselheiro ou algo do tipo, até porque eu acho super importante esse personagem estar presente quando concluírem ou continuarem a plot do Solas.

    Curtir

  12. Também acho!

    Ele já virou um figura importante no mundo de thedas por destruir um arquidemonio e uma criatura sombria, vulgo deus. Tem tudo a acrescentar mais a narrativa e possivelmente um fanservice mostrando nosso personagem que criamos.

    Fica aqui meu pedido para você jogar o Final Fantasy XV e escrever sobre o mesmo.

    Continuo acompanhando blog 😀

    Curtir

  13. Você PRECISA falar sobre o Touro de Ferro!!! O que aconteceu levando ele junto nas missões foi inacreditável!! Foi como levar um soco no estômago pois eu estava muito eufórica jogando haha

    Curtir

  14. Muito bom o texto, eu concordo com varias coisas que você apontou… mas em relação a Flemeth/Mythal eu acho que ela vai ajudar o Solas, por que se você lembra, ela disse que ‘ Irá se vingar dos que traíram Mythal mas até lá vai continuar dançando’, então pra concluir o que ela deseja ela precisa que os planos do Solas funcionem por que assim eles poderiam voltar no tempo e os 2 possivelmente enfrentariam os Evanuris eu acho. Pra mim esse basicamente é o motivo de Solas ir a Tevinter, achar uma maneira de aperfeiçoar a Magia do Tempo de Alexius. Então parar o Solas particularmente pra mim é praticamente impossível já que se a Inquisitor tomou do poço a Flemeth vai controla-lá para não deixar ela interromper nos planos e se não tomou a Morrigan irá basicamente segura-lá ou atrasa-lá, enquanto a guerra dos Qunaris com Tevinter vai ser basicamente uma cortina de fumaça dificultando mais ainda, sem mencionar ele poder controlar os Eluvians e a tremenda força que ele possui agora ( pow ele é um “Deus” )…Eu não consigo ver como esse novo protagonista vai conseguir parar a Flemeth e o Solas, seria muito forçado algo assim acontecer ‘-‘…Também agora nesse momento as 2 pessoas com o mais destaque social é o próprio Solas e a Inquisitor eu to muito empolgado pra ver como a população de Tevinter até Qunaris e Anões vão reagir quanto a eles já que muitos elfos vão se unir a causa do Solas também. Eu ainda acho que não vai ter como para-lo e de algum jeito seu novo personagem ou o(a) próprio Inquisitor vai voltar no tempo com ele e vai tentar convence-lo ou impedir ele no passado msm ^^ kk…. oq vcs acham ?

    Curtir

  15. Oi Clarisse!
    AMO o teu blog, inclusive todo o conteúdo de DA dele!
    Comecei a jogar pelo PC e tenho uma dúvida: não sei se tu também jogou pelo PC, mas se sim, na parte das Deep Roads, deu bug? Se sim, o que tu fez pra melhorar o problema? No meu trava e nem volta.
    Enfim, amei a tua resenha! DA:I é um dos meus jogos favoritos, espero jogar os outros dois (provavelmente eu termino o DA:O e o DA:II antes de lançarem o 4, haha).

    Curtir

  16. Oi! Desculpa a demora
    Eu não lembro de ter problemas com a Deep Roads, mas se você tiver algum mode instalado, pode ser realcionado a isso.
    Que bom que você curti o blog! ❤

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s