The Handmaid’s Tale | Primeira Temporada

screen-shot-2016-12-02-at-11-18-35-am

Desde que foi anunciado que a Hulu faria uma série baseada no livro O Conto da Aia, muita coisa passou pela minha cabeça. Já fiz um vídeo com a resenha e, apesar de achar um livro muito bom, ele tem certos momentos que são difíceis de engolir, não só pela temática pesada, mas também porque a escrita não ajuda sempre.

O livro é em primeira pessoa e muito acontece na cabeça de Offred, portanto, em vários momentos, a narrativa é lenta. Nesses casos, é sempre um desafio achar um equilíbrio entre manter a obra original, ao mesmo tempo em que as mudanças são feitas para que a história se adapte melhor para a televisão.

Porém, The Handmaid’s Tale acha o ponto perfeito. Para quem não conhece a história do livro: Em um futuro distópico, a República de Gilead é formada onde costumava ser os Estados Unidos. Nesse novo lugar, as mulheres são colocadas em posições muito específicas enquanto os homens controlam tudo. Uma das opções para as mulheres é se tornarem aias, que estão ali para ficarem grávidas e terem os filhos dos homens poderosos, sem interferir no corpo das esposas. Nesse contexto, acompanhamos Offred (Elisabeth Moss), uma aia que deseja sair dali e anseia por sua vida antiga, com seu marido e sua filha.

Podem ficar tranquilos que não vai ter spoilers.

Continuar lendo

Anúncios

13 Reasons Why e os assuntos que precisam ser falados

13 reasons

É muito raro encontrar alguma pessoa que não tenha passado por algum tipo de bullying na escola. Mesmo eu, que não passei por muitas coisas difíceis na época do colégio, passei por episódios de bullying e certos aspectos de mim hoje são por causa desses momentos. Infelizmente isso é muito comum para muita gente e pode acabar de forma ruim quando não damos a atenção que esse assunto precisa.

Suicídio é outro assunto delicado. É algo sempre pesado e que não sabemos bem como lidar. O assunto suicídio apareceu na minha vida quando eu era bem nova, dentro da minha família. Quem a gente culpa? Existem culpados? O que a gente faz? O que poderíamos ter feito diferente? Como você explica isso para adolescentes?

Eu quis começar falando um pouco da minha própria experiência com esses assuntos porque não tem como assistir 13 Reasons Why e não pensar na própria vida. Depois de assistir os treze episódios, entendo porque tantas pessoas se sentiram tão conectadas. A série conta a história de Hannah (Katherine Langford), ou melhor, de como ela morreu. Depois que ela comete suicídio, seu amigo Clay (Dylan Minnette) recebe uma caixa com treze fitas. Quando ele começa a escutar, Clay descobre que são fitas de Hannah, onde ela fala os motivos que a levaram a se matar. Cada fita é dedicada a uma pessoa que fez algo com ela de alguma forma e, se as fitas chegaram em Clay, é porque ele é um dos motivos.

A crítica não tem spoilers da série ou do livro em que ela foi baseada.

Continuar lendo

Desmerecimento e o tal do “mimimi”

Rogue One: A Star Wars Story

(Felicity Jones)

Ph: Film Frame

©Lucasfilm LFL

Vou falar especificamente do público/meio nerd aqui, mas eu sei que isso também se encaixa em outras áreas.

Parte de ser feminista (ou de qualquer outro tipo de movimento social) é ter suas opiniões diminuídas por qualquer motivo. Nem precisamos estar necessariamente fazendo uma crítica, por simplesmente sermos mulheres é bem possível que apareça algum cara dizendo que não entendemos do assunto, aí ele pode simplesmente te desmerecer ou tomar aquele teu espaço de fala. Não foram poucas vezes que minha opinião sobre jogos, por exemplo, foi diminuída porque “mulher não manja tanto quanto homem”.

Desde que passei a me identificar como feminista e principalmente depois de ter começado a escrever e fazer vídeos, parece que não dá pra passar 15 dias sem uma polêmica. Ao contrário do que muitos acreditam, não somos nós que criamos o problema, é que agora não ficamos mais quietas. Afinal, por que deveríamos?

O que me fez sentar pra falar sobre isso hoje, a gota d’água da vez, foram as novas imagens da Arlequina no último trailer do Esquadrão Suicida. Várias pessoas, incluindo eu, já falaram do problema dela ser apresentada como objeto sexual em todo material promocional do filme.

É normal que vá aparecer gente pra concordar e discordar, o problema é que passeando pela internet, muito dos comentários são “ai que exagero”, “essas feministas estão sem limites”, “é muito mimimi”.

Continuar lendo

Vai ter mulher gamer SIM!

E aí gente, como é que vocês estão?

Normalmente quando preciso falar de assuntos mais sérios eu faço isso em formato de texto, mas hoje eu resolvi fazer um vídeo junto.

Eu tenho visto muitos caras fazendo comentário machistas sobre mulheres não serem “gamers de verdade”. Então sentei, gravei o vídeo, editei e fiquei assistindo várias vezes enquanto me decidia se postava ou não. Eu decidi fazer um vídeo porque a maioria dos vídeos do meu canal são de jogos, um dos motivos principais de eu ter feito o canal foi porque eu sentia falta de conteúdo de certos jogos em português (além de amar videogames), então eu queria levar esse assunto pra lá. Acontece que eu nunca tinha falado de machismo ou feminismo no canal, a maioria das pessoas inscritas são homens e eu fiquei com receio das reações que esse vídeo teria.

Foi exatamente esse receio que me convenceu de que eu devia postar sim. O fato de eu ficar com medo de postar sobre isso significa que a gente ainda tem um longo caminho quando falamos de mulheres na área de games. Sempre falei pra todo mundo que o Ideias em Roxo tem um viés feminista, inclusive está escrito lá no “sobre” do blog, eu também escrevo para outros dois sites com essa temática, então é óbvio que esse era um assunto relevante para eu falar.

Por que eu tô falando isso? Porque se eu, que tô há algum tempo martelando em assuntos polêmicos, me vi com medo de trazer esse tema pro meu canal (por mais que não precisa fuçar muito pra saber das minhas opiniões), imagino que muitas outras moças também evitem falar de certas coisas pelo mesmo motivo.

Agora, sobre o assunto em questão, eu andei pesquisando que muitas das pessoas que jogam qualquer tipo de jogo, inclusive os tais “jogos de verdade” pra console, não se consideram gamers, porque criaram essa ideia de que o “gamer de verdade” é aquele que fica o dia inteiro jogando. Obviamente essas classificações sempre vão pesar mais para o lado da mulher e sempre aparecem para desmerecê-las, como explico no vídeo.

Muitos desses “gamers de verdade” que usam argumentos de “você precisa de vários consoles e vários jogos” já tem idade suficiente pra entender que tempo e dinheiro não prova o amor de alguém por jogos, só prova que a pessoa tem uma condição de vida privilegiada o suficiente pra gastar tempo e dinheiro com isso. Eu reconheço que, apesar de ser mulher e sofrer machismo, eu tenho inúmeros outros privilégios, o fato de eu ter todas as coisas de games que eu tenho é um dos reflexos desses privilégios. Inclusive foi reconhecendo isso que me veio a ideia dos vídeos sobre Dragon Age e Mass Effect, saber inglês no nível que eu sei com a minha idade é um privilégio.

Mulheres, o espaço de games é tanto nosso quanto deles, é de qualquer pessoa que ame videogames. Não tem jeito certo de ser gamer, todos que jogam podem se chamar assim, obviamente só se considera gamer quem quiser, mas não existe uma lista de pré-requisitos. Sempre vai ter alguém para nos desmerecer, como eu comento no vídeo, isso é algo que eu encarei desde cedo, tudo é motivo para tentarem arrancar nossa carteirinha, mas nós seguimos firmes e fortes.

Inclusive, depois que gravei o vídeo, a Rebeca do Collant escreveu esse texto por lá que também é uma discussão muito importante para o assunto.

Enfim, dito tudo isso, vai ver o meu desabafo sobre o assunto lá no canal. Eu queria ter falado sobre muitas outras coisas também, é um assunto extenso, mas a gente tem que ir cortando pra caber no vídeo.

Não se esquece de dar uma força pro canal, se inscreve lá e dá joinha!

Quando mulheres não podem ser humanas

Until Dawn™_20150825222719

O texto contém spoilers de Until Dawn.

Essa reflexão de hoje começou com esse texto que está nos meus favoritos e com alguma frequência abro para ler de novo. Alguns dias depois voltei a pensar no assunto quando assisti Garota Sombria Caminha pela Noite. Certos eventos pessoais e coisas que observei mais a fundo na ficção me fizeram cada vez mais pensar nesse tema, até que hoje resolvi fazer um texto, meio desabafo, sobre isso.

Recentemente, como vocês sabem, zerei Until Dawn, um jogo de terror. Apesar de ter gostado bastante do jogo, um ponto importante da narrativa me incomodou bastante e tem tudo a ver com o assunto em questão.

Em Until Dawn, Hannah é apaixonada por Mike. Ela fazia testes em revistas adolescentes para ver se conseguiria ficar com ele, escreveu sobre ele em seu diário e até fez uma tatuagem pra provar o quão “cool” ela era. Os amigos deles descobriram dessa queda que Hannah tinha por Mike e, como ele tinha uma namorada, Emily, eles resolveram fazer uma brincadeira de mau gosto: Fazer Mike fingir que eles iam ficar juntos para gravarem Hannah tirando a roupa. Independente deles terem intenção de divulgar ou não, isso é exposição.

Resultado: Hannah foge, sua irmã gêmea, Beth, vai atrás, as duas caem de um penhasco e são dadas como desaparecidas. Durante o jogo descobrimos que Beth morreu, mas Hannah sobreviveu e como não conseguiu sair das minas em que caiu, precisou comer o corpo morto da irmã pra sobreviver, o que a transformou em um Wendigo. Eu só conseguia pensar em como não era justa essa história, Hannah era uma moça ingênua, que confiava e amava Mike e por querer ter algo com ele, acabou caindo de um penhasco e se tornando em um monstro.

Continuar lendo

Remake de FFVII sem machismo. Será que rola?

cloud

Eu sei que eu provavelmente estou entrando naquele território “perigoso” do mundo nerd. A Rebeca Puig (Collant sem Decote) e eu sempre falamos sobre como os fãs machistas de jogos são os piores, então pode ser cutucar a onça com vara curta falar, não de qualquer jogo, mas de um clássico dos videogames. Mas eu também sou fã de jogos e é meu espaço poder falar sobre eles, seja para elogiar ou criticar.

Ano passado foi anunciado o remake de Final Fantasy VII e eu nem conseguia explicar minha empolgação. Não tive PlayStation na época em que o jogo bombou, então tudo que joguei e vi era na casa de amigos enquanto eles jogavam. Isso junto com um inglês bem limitado, fez com que anos depois eu revisitasse os títulos da franquia que não pude aproveitar tanto, o VII incluído.

Final Fantasy VII é um clássico, um marco nos videogames, não só em jogabilidade, mas em história. Na época os críticos diziam que o jogo estava muito a frente de seu tempo. Até hoje Cloud é um dos personagens mais conhecidos de Final Fantasy e dos jogos em geral (e esse texto explica o quão importante ele foi e ainda é).

Dito isso, considerando ser um JRPG de 1997, não é de se surpreender que hoje vejamos problemas que não víamos antes. Quando começamos a problematizar as coisas, um passo importante é olharmos tudo aquilo que gostamos e entender pontos que não nos incomodávamos antes ou não percebíamos.

Quando comecei a listar, vi que FFVII tinha vários problemas. Acho que ninguém precisa excluir um jogo de 97 de suas boas memórias (a menos que queira) por causa disso, mas considerando que ele terá um remake nos tempos de hoje, época em que os debates sobre representação nos jogos estão tão em alta, é importante olharmos esses fatores. Eu sei que todo mundo quer ver um FFVII igual ao antigo com a mecânica melhorada, mas repetir momentos problemáticos do jogo, novamente, numa época que se fala tanto disso, é um tanto quanto irresponsável.

Continuar lendo