John Boyega está certo | Representação étnica na fantasia medieval

john-boyega-us-entertainment-premiere-star-wars-gi

Eu sinto que eu já falei desse assunto inúmeras vezes, talvez você, que acompanhe mais meus textos, não aguente mais ouvir falar disso, mas como as pessoas insistem em dizer besteiras, aqui estou eu, mais uma vez, para falar em nome desse gênero que amo tanto.

Esta semana, John Boyega estava participando de uma entrevista para a GQ e falou sobre a falta de diversidade étnica em Game of Thrones. Eu tenho a impressão de que existem certos assuntos no mundo nerd que, se você falar mal, você automaticamente vai summonar um nerd preconceituoso. Game of Thrones seria um deles. John Boyega disse:

Não há pessoas negras em Game of Thrones. Você não vê uma pessoa negra em Senhor dos Anéis. Eu não estou pagando dinheiro para ver só um tipo de pessoa na tela. Você vê pessoas diferentes com várias histórias e culturas todos os dias. Mesmo se você for racista, você precisa lidar com isso.

A internet caiu em cima dessa declaração. Como nós sabemos, o público nerd ainda é muito difícil e preconceituoso, então ofensas de todos os tipos surgiram, além de pessoas tentando argumentar, com pontos bem falhos, que não havia nenhum problema em Game of Thrones só ter pessoas brancas. Vamos parar um pouquinho para ver essas “argumentações”.

Continuar lendo

Os personagens LGBT+ de Dragon Age: Origins

lelianaa

Não é novidade para ninguém que me conhece, ou que acompanhe algumas coisas que eu faço, que eu sou apaixonada por Dragon Age. Atualmente é a minha franquia de jogos preferida por inúmeros motivos. Uma das coisas que sempre mexeu comigo nesses jogos é o fato de ter alguma preocupação com a representatividade nos seus personagens.

Eu vou dizer isso logo no começo: Com esse texto, não quero dizer que as representações em Dragon Age são perfeitas, nem que o jogo inteiro seja diverso o suficiente. Se tem uma coisa que eu sempre aponto em qualquer jogo, incluindo os da Bioware, é que sempre tem espaço para melhorar. Porém, como alguém que joga alguma coisa por aí, é difícil ver algum título que mostre qualquer coisa que fuja do padrão hétero e cis. Eu me vejo representada em Dragon Age de formas que às vezes não me vejo em outros lugares.

Então resolvi fazer uma série de textos falando sobre como a representatividade LGBT+ é tratada no universo de Dragon Age. Nesse primeiro texto, vou falar sobre o primeiro jogo da franquia, o Dragon Age: Origins.

Muitas vezes ouvimos falar sobre como o gênero da fantasia medieval não tem espaço para diversidade. Esse inclusive é outro assunto que eu falo muito, porque eu amo fantasia medieval e, como consumo muito, fico frustrada por não me sentir tão representada. Mulheres acabam aparecendo às vezes, mas personagens LGBT+ são poucos. Há essa ideia completamente errada de que não existiam pessoas LGBT+ “naquela época”. Eu já falei muito sobre isso, mas resumindo: “aquela época” nunca existiu e, mesmo que a fantasia medieval representasse fielmente a nossa época medieval (que não é o caso), não dá para dizer que só existiam pessoas cis e hétero.

Continuar lendo

Jogos com Mulheres Protagonistas

rise_of_the_tomb_raider_screen54

Estudos recentes mostram que a maioria dos gamers são mulheres. Por mais que ainda exista muita gente que insista em não acreditar nisso, dá para ver que algumas partes da indústria estão mudando para satisfazer essa parte do público. Ainda é pouco e temos muito o que melhorar, mas agora também vemos mais mulheres exigindo que as empresas de jogos pensem nelas quando criarem seus jogos.

Então se você tá afim de jogar alguma coisa que tenha uma mulher como protagonista, aí vão algumas sugestões de jogos recentes (sem spoilers!):

  • Transistor

transistor0516141280jpg-dcf9b8_1280w

Transistor é um RPG da Supergiant Games lançado em 2014, disponível para PC, Mac e PS4. A protagonista Red, uma cantora da cidade Cloudbank, é atacada por robôs que servem um grupo chamado Camerata. Red consegue escapar e fica com uma espada, Transistor, que guarda partes das pessoas que foram mortas pela espada. O plano era que Red fosse eliminada com essa arma, mas não funciona e Transistor é enterrada no peito de um homem desconhecido. Ele morre e a espada absorve parte desse homem, junto com a voz de Red. O grupo Camerata quer a espada de volta e Red precisa enfrentá-los.

Como Red é uma protagonista muda, as falas do jogo ficam por conta da voz do homem dentro da espada. Isso poderia ter dado errado, mas Transistor consegue criar não só uma protagonista muito boa, como uma relação muito interessante entre o objeto e Red. Quando temos um protagonista mudo, normalmente suas ações, o falta de, são o que definem a personalidade do personagem e Transistor sabe usar isso bem.

Além de Red ser o centro da trama, o jogo é muito divertido, o universo é interessante e a história deixa pontos abertos para a interpretação do jogador. Nem todo mundo é fã disso, mas nesse jogo essa abordagem parece encaixar bem.

Continuar lendo

O problema com as mulheres em The Witcher

yenneferr

The Witcher é uma franquia muito conhecida e com muitos fãs. Ano passado The Witcher 3 foi eleito o jogo do ano. O RPG de fantasia medieval tem como protagonista o bruxo Geralt de Rivia. Nesse universo, os “bruxos” são pessoas geneticamente modificadas para ficarem mais fortes e ganham a vida matando monstros.

Apesar de nunca ter jogado, eu via certas coisas dos fãs que me dava muita preguiça do jogo. Como fã da Bioware, já acompanhei muitas discussões de fóruns que falavam de Mass Effect ou Dragon Age. Não era incomum ver algum gamer machista reclamando que, ao incluir diversidade, a Bioware estava tentando fazer aqueles jogadores terem “vergonha de serem homens héteros” e eles iam jogar um jogo que “não tentava envergonhar os homens héteros: The Witcher”. Considerando que uma das coisas que fez a Bioware ganhar meu coração é exatamente o fato deles tentarem sempre melhorar a representatividade, automaticamente eu criei uma birra com The Witcher. Afinal se aquele tipo de fã gostava, não sei se eu ia querer jogar.

Mas fã preconceituoso tem em qualquer fandom, infelizmente, então nos últimos meses decidi que ia jogar a franquia toda. Mesmo com esses comentários, muitas pessoas me diziam que The Witcher era realmente muito bom.

Fico muito feliz de ter superado a birra porque a franquia é de fato incrível, principalmente The Witcher 3. É um RPG de fantasia medieval com escolhas difíceis, história interessante, personagens cativantes… É com certeza uma das melhores franquias que joguei na vida.

Mas nem tudo são flores. Apesar de ser um jogo tão legal, não me surpreende tanto que a base de fãs seja composta por tantos gamers machistas. The Witcher tem sérios problemas com a representação das mulheres, mesmo nos jogos mais recentes. É ainda mais triste quando percebemos que muitas das personagens de peso para a história funcionar são mulheres, mas mesmo assim os estereótipos aparecem.

Esse é mais um daqueles exemplos de coisas que podemos amar mesmo vendo os problemas. Adorei mesmo passar essas semanas como Geralt de Rivia, mas nem por isso vou ignorar certos erros do jogo. É complicado ver um jogo tão bom em vários aspectos errar nessas partes. É também frustrante ver que o melhor jogo do ano de 2015 comete tantos erros com suas personagens mulheres.

Eu fiz questão de jogar todos os três jogos e as DLC antes de falar qualquer coisa para evitar o “você não conhece a franquia” ou “mas depois melhora” (não sei se vai ajudar, mas a gente tenta). Também entendo que os jogos são baseados em livros e talvez os originais sejam machistas. Primeiro precisamos lembrar que esses jogos são adaptações e mudanças são normais, ainda mais considerando que, pelo que andei lendo, muitos fãs dos livros falam que os jogos são bem diferentes. Segundo que alguns pontos machistas do jogo são coisas que não apareceriam na literatura, mas são usados em mídias como o videogame.

Caso você não tenha jogado nada de The Witcher ainda e quer saber se deve começar a jogar sem tomar spoilers, o que eu posso dizer é que a franquia é muito boa, ainda mais para quem é fã de RPG e fantasia medieval, então é um título que eu recomendo, mas saiba que você vai encontrar estereótipos e objetificação de mulheres no jogo.

Eu vou dividir essa postagem em tópicos, um para cada jogo e no final algumas considerações pontuais sobre as DLC de The Witcher 3, assim você pode evitar spoilers caso não tenha jogado algum deles.

Continuar lendo

Desmerecimento e o tal do “mimimi”

Rogue One: A Star Wars Story

(Felicity Jones)

Ph: Film Frame

©Lucasfilm LFL

Vou falar especificamente do público/meio nerd aqui, mas eu sei que isso também se encaixa em outras áreas.

Parte de ser feminista (ou de qualquer outro tipo de movimento social) é ter suas opiniões diminuídas por qualquer motivo. Nem precisamos estar necessariamente fazendo uma crítica, por simplesmente sermos mulheres é bem possível que apareça algum cara dizendo que não entendemos do assunto, aí ele pode simplesmente te desmerecer ou tomar aquele teu espaço de fala. Não foram poucas vezes que minha opinião sobre jogos, por exemplo, foi diminuída porque “mulher não manja tanto quanto homem”.

Desde que passei a me identificar como feminista e principalmente depois de ter começado a escrever e fazer vídeos, parece que não dá pra passar 15 dias sem uma polêmica. Ao contrário do que muitos acreditam, não somos nós que criamos o problema, é que agora não ficamos mais quietas. Afinal, por que deveríamos?

O que me fez sentar pra falar sobre isso hoje, a gota d’água da vez, foram as novas imagens da Arlequina no último trailer do Esquadrão Suicida. Várias pessoas, incluindo eu, já falaram do problema dela ser apresentada como objeto sexual em todo material promocional do filme.

É normal que vá aparecer gente pra concordar e discordar, o problema é que passeando pela internet, muito dos comentários são “ai que exagero”, “essas feministas estão sem limites”, “é muito mimimi”.

Continuar lendo

Açúcar, tempero e tudo de maneiro | As Meninas Supepoderosas voltaram!

PPG00

No dia 04/04 o Cartoon Network estreou a nova geração de um dos maiores clássicos que marcaram as crianças dos anos 90: As Meninas Superpoderosas. Até hoje lembro do primeiro episódio que assisti, que começava com a Lindinha fugindo de uma barata, enquanto a Docinho destruía a casa inteira para tentar matar o inseto.

As Meninas Superpoderosas foi lançado pela primeira vez em 1998, agora em 2016 eu sentei mais uma vez na frente da televisão para ver que rumo a nova geração levaria. No dia da estréia, o Cartoon Network passou um episódio e um making of. Não dá pra julgar uma série nova inteira pelo primeiro episódio, mas mesmo assim gostei bastante do que vi.

Não deu para ver muito dos vilões, o primeiro episódio acabou se focando mais na relação entre as três irmãs. Lindinha ganhou um concurso para assistir a banda preferida das meninas e ela só podia levar uma acompanhante, portanto Docinho e Florzinha passaram o dia brigando para ver qual das duas iria também.

O desenho não é apenas composto por novas histórias nos moldes antigos, assim como o mundo aqui na “vida real” mudou, a cidade de Townsville também. As três heroínas agora possuem celular e o próprio telefone no quarto delas está mais moderno que o antigo. Outra coisa que me chamou atenção foi a Docinho gritando “treta!” durante uma luta entre dois monstros.

Continuar lendo

As mulheres da ficção que marcaram minha infância

Powerpuff-girls-answer-phone

Hoje é 08 de março, dia internacional da mulher, um dia que vai muito além de você dar flores para as “mulheres da sua vida”, afinal pouco adianta fazer isso e continuar com atitudes machistas. Como sempre comento aqui no blog, representação é algo muito importante e ter obras ficcionais que falem sobre feminismo ou tenham personagens com esse discurso é uma forma de criar debates sobre o assunto.

Pensando nisso, fiquei tentando lembrar de personagens mulheres que tenham marcado minha infância e adolescência, seja com um discurso feminista mais direto ou só por serem mulheres fortes que me mostraram que eu podia fazer coisas incríveis também. Com isso na cabeça, fiz uma lista de sete personagens que, mesmo quando eu nem sabia o que era feminismo ou não me identificava como feminista, me ajudaram a formar a pessoa que eu sou hoje.

  • Sarah Williams (Labirinto)

labyrinthbdcap4_original

Ela tinha que ser a primeira da minha lista, não só por ter sido uma das primeiras (se não a primeira) heroína que tive como modelo, mas também por ser a protagonista do meu filme preferido.

Falo dela (e do filme) sempre, Sarah é uma adolescente de 15 anos que comete um erro: Pede para que o Rei dos Duendes leve seu irmão embora, ela só não imaginava que os duendes realmente fossem aparecer e realizar seu desejo. Por isso, Sarah precisa enfrentar vários desafios no Labirinto e a inteligência dela ganha da magia de Jareth.

Eu me identificava com Sarah em vários aspectos, da teimosia até o “viver no mundo da lua”, talvez na época não tenha apreciado tanto os discursos dela, mas vi esse filme inúmeras vezes durante os anos e a frase mais marcante dela “Você não tem poderes sobre mim” foi cada vez mais fazendo sentido, Sarah me ensinou que homem nenhum pode ter controle sobre nós e nem nos manipular, não importa o que aconteça.

Continuar lendo