Star Trek: Discovery | Primeiras Impressões

star trek

Star Trek: Discovery é a nova série da franquia, que pode ser encontrada na Netflix. Ao contrário de outras que estão lá, os episódios de Star Trek: Discovery estão sendo lançados aos poucos, então só vai dar para maratonar caso você tenha alguma paciência para esperar todos saírem.

Criada por Brian Fuller e Alex Kurtzman, a história acontece 10 anos antes da série clássica. Os dois primeiros episódios são na verdade uma introdução do que acontecerá ao longo da temporada. Michael Burnham (Sonequa Martin-Green) é a primeira oficial da capitã Philippa Georgiou (Michelle Yeoh). As duas percebem algo estranho em um cinturão de asteroides próximo de sua localização. Quando Michael vai investigar, ela descobre que acabaram de topar com os Klingons.

Por enquanto, assisti aos três primeiros episódios e vou falar um pouco das minhas primeiras impressões deles, sem spoilers.

Eu não assisti a série clássica, então falo como pessoa de fora do fandom de Star Trek. Para mim, o primeiro mérito é que Discovery consegue abraçar os fãs novos e que sabem pouco da história de Star Trek. Mesmo não sabendo alguns dos termos e informações desse universo, ao longo desses dois primeiros episódios já é possível aproveitar tudo que o roteiro apresenta sem ficar completamente perdido.

Continuar lendo

Anúncios

6º Episódio: Beyond the Wall | 7ª Temporada de Game of Thrones

Helen_Sloan___HBO__Photo_4_.0

Os sentimentos são mistos com Beyond the Wall. O penúltimo episódio da temporada é sempre um dos mais bombásticos, desde o começo esperamos por esse episódio para ver algo muito grande acontecer. De fato, Beyond the Wall teve muita coisa importante acontecendo, mas a execução delas não foi das melhores.

Por um lado, não tem como não vibrar com certas cenas, ou não ficar tenso esperando ver o que vai acontecer. O episódio é tecnicamente bem produzido, porque Game of Thrones erra em várias coisas, mas não no espetáculo que eles trazem. E esse episódio foi divertido, eu ri, eu fiquei bem emocionada, senti raiva e gritei. Está longe de ser um episódio parado.

Ao mesmo tempo, as coisas aconteceram de forma tão repentina e apressadas, que elas foram só legais e divertidas, quando vários desses momentos deviam ter sido mais do que isso. Talvez com um pouco mais de cuidado, com menos furos no roteiro, o episódio poderia ter sido impactante e não só entreter. Beyond the Wall entrega os momentos que propõe, mas ele poderia ter sido melhor e com menos furos.

A partir daqui o texto terá spoilers.

Continuar lendo

2º Episódio: Stormborn | 7ª Temporada de Game of Thrones

sansarainha

Quando a temporada começou, eu estava com receio de que o ritmo ficasse muito lento e alguns elementos fossem deixados de lado. Não que a série esteja acertando sempre, mas se tem uma coisa que o ritmo não está, é lento. Stormborn movimentou a história de uma forma que fazia tempo que eu não via no começo de qualquer temporada de Game of Thrones.

Por mais que a série ainda não lide com os conflitos políticos da melhor forma, e que às vezes pareça fazer mais coisas pelo fanservice do que pela história em si, essa temporada sabe nos deixar animados para o que vem a seguir. Talvez isso seja mais mérito de uma tensão construída por anos do que pelos episódios atuais, mas ainda assim, ver várias coisas que tanto esperávamos finalmente acontecer abala o coração de qualquer fã.

Stormborn acerta muito nas referências. É um episódio que fez a lição de casa, os personagens se lembram o que aconteceu antes e usam isso no momento atual em que estão. Isso é importante, porque essa temporada é o momento de fechar pontas soltas, de lidar com todas as pendências que os fãs querem ver resolvidas há anos.

Com muitas questões políticas, tensões, momentos agoniantes e lutas, todo estamos sentindo que de fato Game of Thrones está caminhando para o seu final. O episódio não tomou as melhores decisões sempre, mas empolgou e mudou algumas perspectivas que tínhamos até então.

Continuar lendo

7º Episódio: A Prayer for Mad Sweeney | Deuses Americanos

mad_sweeney

Quando voltamos a nos acostumar com a estrutura “padrão” de Deuses Americanos, a série vai lá e muda de novo. Dessa vez, a história de como os deuses chegaram à América dura o episódio inteiro, intercalando com momentos que se passam nos tempos atuais

Como o nome indica, Mr. Ibis vai nos contar como Mad Sweeney, o leprechaun, chegou aos Estados Unidos. Mas dessa vez, vemos tudo isso na visão de Essie, uma mulher que acreditava em leprechaun e outras seres do tipo quando veio para os Estados Unidos. Junto com isso, vemos Mad Sweeney e Laura continuando sua viagem pela estrada.

Esse episódio não mostra nada de Shadow ou Wednesday, tendo a interação entre Mad Sweeney e Laura como foco principal, assim como toda a história da vida de Essie e sua relação com a fé. É uma escolha esquisita para o penúltimo episódio, mas apesar de eu ter estranhado em um primeiro momento, o episódio foi me conquistando a medida que eu fui assistindo.

Esse texto tem spoilers.

Continuar lendo

3º Episódio: Head Full of Snow | Deuses Americanos

head full of snow

Saiu o terceiro episódio de Deuses Americanos: Head Full of Snow e, como o nome indica, teve bastante neve, mas também várias outras coisas.

Mantendo o formato que foi apresentado desde o começo, Head Full of Snow deixa um pouco de lado cenas tensas para criar um clima quase que de conto de fadas. Ainda tem sangue e conflitos, mas o aspecto mágico da série está aumentando cada vez mais, ficando ainda mais evidente nesse terceiro episódio.

Deuses Americanos continua acertando nos pontos de sempre: o visual, as atuações, os diálogos, etc. Mas ela também continua deixando o público um tanto quanto confuso, não só pelo fato de continuarmos sem muitas explicações, mas sim pelas escolhas de Shadow. Como sempre, essa crítica terá spoilers.

Continuar lendo

1º Episódio: The Bone Orchard | Deuses Americanos

American Gods Season 1 2017

Eu amo os livros do Neil Gaiman. Sério. Eu sou a pessoa que chorou com os arcos mais secundários de Sandman e que também chorou com o final de Lugar Nenhum, não porque era muito emocionante, mas porque eu tava chateada que um livro que eu gostei tanto tinha acabado.

Li Deuses Americanos ano passado e estava ansiosa. Eu sei que a gente tá numa época que temos medo de esperar muito alguma coisa porque pode ser ruim, mas a série tinha que ser muito ruim pra eu não gostar, o que definitivamente não é o caso aqui.

O primeiro episódio de Deuses Americanos tinha a função de apresentar um mundo meio louco para os fãs e para pessoas que nunca leram os livros. Já dá para ver um visual marcante, atores que se encaixam com personagens e uma história que vai precisar de mais que um episódio para fazer sentido. No geral, acho que a estreia deu um passo na direção certa. Deuses Americanos é um livro que começa difícil, mas te ganha ao longo dos capítulos. Particularmente, eu acho que a série devia tentar ganhar o público mais cedo, mas essa abordagem pode explicar algumas coisas que vimos.

Assim como as críticas que eu normalmente faço de Game of Thrones, vou falar (ou ao menos pretendo) de todos os episódios ao longo das semanas com spoilers da série. Os comentários que farei sobre os eventos do livro são só as coisas que a série já mostrou (ou cortou).

Continuar lendo

13 Reasons Why e os assuntos que precisam ser falados

13 reasons

É muito raro encontrar alguma pessoa que não tenha passado por algum tipo de bullying na escola. Mesmo eu, que não passei por muitas coisas difíceis na época do colégio, passei por episódios de bullying e certos aspectos de mim hoje são por causa desses momentos. Infelizmente isso é muito comum para muita gente e pode acabar de forma ruim quando não damos a atenção que esse assunto precisa.

Suicídio é outro assunto delicado. É algo sempre pesado e que não sabemos bem como lidar. O assunto suicídio apareceu na minha vida quando eu era bem nova, dentro da minha família. Quem a gente culpa? Existem culpados? O que a gente faz? O que poderíamos ter feito diferente? Como você explica isso para adolescentes?

Eu quis começar falando um pouco da minha própria experiência com esses assuntos porque não tem como assistir 13 Reasons Why e não pensar na própria vida. Depois de assistir os treze episódios, entendo porque tantas pessoas se sentiram tão conectadas. A série conta a história de Hannah (Katherine Langford), ou melhor, de como ela morreu. Depois que ela comete suicídio, seu amigo Clay (Dylan Minnette) recebe uma caixa com treze fitas. Quando ele começa a escutar, Clay descobre que são fitas de Hannah, onde ela fala os motivos que a levaram a se matar. Cada fita é dedicada a uma pessoa que fez algo com ela de alguma forma e, se as fitas chegaram em Clay, é porque ele é um dos motivos.

A crítica não tem spoilers da série ou do livro em que ela foi baseada.

Continuar lendo